Gabarito no final das questões.


Lista de 13 exercícios Felicidade Clandestina - Literatura   
Felicidade Clandestina – Clarice Lispector

01. (PUC-PR) Felicidade Clandestina reúne 25 contos que tematizam a adolescência, a
infância e a família de Clarice Lispector. Sobre essa obra, marque a alternativa correta.
I. São contos muito diferentes do resto da obra da autora, que nunca usa sua vida como
referência para a ficção.
II. O cotidiano, sempre presente em sua obra, nesses contos é deixado de lado, para que
se trate apenas do aspecto tecnológico.
III. A epifania, constante da obra de Clarice Lispector, nesse livro está ausente, porque
as personagens têm plena consciência de tudo.
IV. As personagens feminina são, na maioria, meninas, que passam pelo processo de
amadurecimento e se tornam adulta.
V. As cenas descritas são comuns, mas não apresentam detalhes.
a) Somente a alternativa IV está correta.
b) As alternativas I e II estão corretas.
c) As alternativas IV e V estão corretas.
d) Somente a alternativa II está correta.
e) Todas as alternativas estão corretas.


02. (Dynâmico) Analise as seguintes proposições:

I. A literatura de Clarice Lispector é altamente reflexiva, introspectiva e espiritual, pois
agrega, ao mesmo tempo, elementos do Realismo, Naturalismo, Romantismo e
Simbolismo.
II. O fluxo de consciência é uma técnica narrativa que foi utilizada largamente no Brasil
por Lygia Fagundes Telles. Neste livro há uma exceção na obra de Clarice, ao utilizar
esta técnica narrativa, uma vez que ela prefere uma linguagem simples e objetiva.
III. Os textos de Felicidade Clandestina, são, na verdade, uma coletânea de crônicas
escritas pela autora para o Jornal do Brasil, a partir de 1967. Apesar disto, a autora teria
dito textualmente: Vamos falar a verdade: isto aqui não é crônica coisa nenhuma. Isto é
apenas. Além destas crônicas, estão incluídos na obra também, alguns contos
anteriormente publicados em A Legião Estrangeira.

Estão corretas:
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) I e II.
d) I e III.
e) II e III.


03. (Dynâmico) Observe as seguintes afirmativas a respeito Felicidade Clandestina, de
Clarice Lispector:
I. O texto Felicidade Clandestina narra a história de uma menina que gostava de livros,
porém, não tem nenhuma relação com a vida pessoal da autora.
II. O texto O Ovo e a Galinha é um texto altamente filosófico e hermético, o que torna
sua compreensão difícil. A própria autora ao fazer a leitura do texto numa conferência
foi criticada pelos presentes.
III. Os Desastres de Sofia narra a descoberta do amor por parte de uma menina que se
sente atraída pelo professor, aos nove anos de idade. Por conta desta descoberta, ela
acaba amadurecendo antes do tempo.
Estão corretas as afirmativas:
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) I, II e III.
e) Nenhuma das alternas.


04. (PUC-PR) Considerando a leitura dos textos de Clarice Lispector que tematizam as
relações entre as pessoas de idades diferentes, relacione as colunas:
I. O Grande Passeio
II. A legião Estrangeira
III. Macacos
IV. Uma Estória de Tanto Amor

() A narradora tenta mostrar a Ofélia que é possível matar por amor, mesmo sem sabêlo.
() A relação entra mãe e filho se torna mais intenso após o convívio de ambos com
Lisette.
() A partir da história de Mocinha, é tematizada a rejeição sofrida pelos idosos.
() Uma menina é convencida a comer a galinha que havia sido criada em sua casa; para
sua mãe, essa seria uma forma de trazer o animal que se ama para dentro de si.

A seqüência correta é:
a) 1, 2, 3, 4.
b) 2, 3, 4, 1.
c) 3, 2, 4, 1.
d) 2, 4, 3, 1.
e) 2, 3, 1, 4.


05. (PUC-PR) O conto “Felicidade Clandestina”, que dá título ao livro da Clarice
Lispector, apresenta características da obra da autora. Assinale a alternativa que as
contém.
a) A prosa intimista, a mulher em conflito com a vida, as relações pessoais de amor e
ódio, a religiosidade, a representação da vida cultural urbana e a sedução da palavra
escrita.
b) A prosa intimista, as personagens femininas, a narração em primeira pessoa, as
reflexões metaficcionais, a representação da vida cultural urbana e a sedução da palavra
escrita.
c) A linguagem rebuscada, os finais imprevisíveis, a maldade humana, a narração em
primeira pessoa e a prosa intimista.
d) O regionalismo carioca, os conflitos familiares, a consciência da efemeridade da
vida, a metaficção e a intertextualidade.
e) As mulheres em conflito, a religiosidade, a representação da vida urbana, a sedução
da palavra escrita, as reflexões metaficcionais e a narração em terceira pessoa.


06. (UNIBRASIL-09) Qual dos textos a seguir apresenta de forma acentuada as
seguintes características:
I. Intimismo.
II. Lembranças da infância e adolescência.
III. Ambientes essencialmente urbanos.
IV. O universo infantil aparece como incompreendido pelo mundo dos adultos.
a) Urupês.
b) Felicidade Clandestina.
c) Inocência.
d) Muitas Vozes.
e) O pagador de Promessas.



07. (PUC-PR) Pode-se sintetizar o tema do conto “Felicidade Clandestina”, de Clarice
Lispector, como:
a) Uma aprendizagem amorosa.
b) Um debate entre a vida e a morte.
c) O elogio da amizade.
d) Uma reflexão sobre a morte da consciência.
e) Crítica a estrutura social que sufoca a liberdade humana.


08. (PUC-PR) Com base na leitura de Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector,
identifique a alternativa verdadeira:
a) Os contos de Felicidade Clandestina inauguram a fase mais abstrata da ficção de
Clarice Lispector, na qual a desorganização mental das personagens é captada em
longos fluxos de consciência, em linguagem que não respeita a sintaxe tradicional.
b) “Perdoando Deus”, “A repartição dos pães” e “As águas do mundo” confirmam, na
obra, a religiosidade cristã, tema central de outros escritos de Clarice Lispector, bem
como de maior parte da ficção produzida no Brasil na segunda metade do século 20.
c) O conto que nomeia o livro aborda as dificuldades de um estudante envolvido com
um grupo guerrilheiro que pretendia derrubar o governo militar, tema forte na literatura
brasileira da década de 1970.
d) Assim como as protagonistas dos romances de Clarice Lispector, algumas
personagens de seus contos sentem-se pouco à vontade em situações corriqueiras, o que
lhes traz angústias e temores diversos.
e) No período em que Clarice Lispector produziu sua obra, Rubens Fonseca e Dalton
Trevisan também aprofundaram o romance de exploração psicológica das personagens,
ambientando suas histórias nas principais metrópoles brasileiras.


09. (UNIBRASIL-PR)
“Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações a que me submetia:
continuava a implorar-lhe emprestados os livros que não lia. Até que veio para ela o
magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa. Como casualmente,
informou-me que possuía. As reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato. Era um livro
grosso, meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o,
E, completamente acima de minhas posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa no
dia seguinte e que ela o emprestaria.
Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança de alegria: eu não
vivia, nadava devagar num mar suave, as ondas me levavam e me traziam.
No dia seguinte fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num
sobrado como eu, e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando bem pra meus
olhos, disse-me que havia emprestado o livro a outra menina, e que eu voltasse no dia
seguinte para buscá-lo”
(LISPECTOR, Clarice. Felicidade Clandestina.)
Sobre o texto de Clarice Lispector seria CORRETO afirmar que:
a) A narradora do conto demonstra seu descontentamento com o idéia de que a leitura
seja capaz de transformar as atitudes de sua antagonista, pois mesmo após ter lido
diversos livros, inclusive os de Monteiro Lobato, a mesma não demonstra qualquer
sensibilidade aprimorada.
b) A felicidade clandestina citada no título está relacionada ao fato de que a verdadeira
ansiedade da protagonista era rever a garota que, muitas vezes, a tratava de maneira
humilhante, mesmo que para isso tivesse de usar como desculpa em fato corriqueiro,
como o empréstimo de um livro, estabelecendo uma relação de amizade quase
sadomasoquista entre ambas.
c) A narradora do conto é um exemplo claro das personagens claricianas, pois em sua
introspecção e em seu amor pela leitura é capaz de suportar até mesmo as piores
humilhações para ter em sua posse um objeto ao qual atribui poderes quase
transcendentais, capazes de gerar uma epifania na protagonista.
d) A personagem central parece sentir-se secretamente aliviada ao constatar que o livro
já tinha sido emprestado a outra escola, uma vez que o mesmo era “um livro grosso,
meu Deus, era um livro para se ficar vivendo com ele”. Dessa sensação vem o título que
Clarice Lispector dá ao texto, uma vez que a protagonista sabe que deveria ler
obrigatoriamente a obra e o fato de escapar da mesma é felicidade clandestina.
e) A verdadeira crueldade exposta no texto de Clarice é representada pela continua
insistência da protagonista em torturar sua colega, pedindo-lhe repetidamente o
empréstimo do livro que já sabia estar de posse de outra pessoa, humilhando assim a
amiga que prometera o que não poderia cumprir.


10. (UFOP) Com base no conto Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector, é
incorreto afirmar:
a) Aborda a experiência do prazer advindo da leitura e narra a busca da protagonista por
um livro que satisfaça esse desejo.
b) Alude à perversidade de uma personagem para com os animais que cria em sua casa,
principalmente em relação a seu cão Ulisses, aquele do qual a protagonista mais gosta.
c) Afirma que a felicidade clandestina não é obtida pela leitura do livro tão desejado,
Mas pela conquista do desejado livro.
d) Tematiza o sofrimento da narradora, em relação à posse do livro muito desejado,
prometido por uma sádica colega de escola.


11. (UFOP) Sobre Felicidade Clandestina, de Clarice, são feitos os seguintes
comentários:
I. Os contos formam, em seu conjunto, uma única história, que tem como protagonista
uma mulher à procura do(s) sentido(s) da vida, em situações simples e corriqueiras do
cotidiano.
II. O conto que dá nome ao livro é um exemplo dos tormentos psicológicos que as
protagonistas experimentam, mesmo em outras narrativas, em sua busca de ascensão
social.
III. Cada conto apresenta uma situação do cotidiano de homens, mulheres e crianças,
sob a perspectiva de um certo espanto pela revelação de aspectos, características e
novidades, antes insuspeitadas.
IV. O mar, os animais domésticos, as situações corriqueiras e os sentimentos mais anais
são alguns dos elementos utilizados para a construção das histórias curtas que compõem
o livro.
Com base nos comentários feitos, é correto afirmar:
a) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.
b) Apenas as afirmativas I e IV estão corretas.
c) Apenas as afirmativas II e IV estão corretas.
d) Apenas as afirmativas III e IV estão corretas.


12. (PUC–PR) Observe o seguinte fragmento do conto Felicidade Clandestina, do livro
com o mesmo nome, escrito por Clarice Lispector:
“Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança, chupando balas
com barulho. E como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente
bonitinhas, esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade
o seu sadismo. Na minha ânsia de ler, eu nem notava as humilhações a que ela me
submetia: continuava a implorar-lhe emprestados os livros que ela não lia. Até que veio
para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa. Como
casualmente, informou-me que possuía As Reinações de Narizinho, de Monteiro
Lobato. Era um livro grande, meu Deus, era um livro pra se ficar vivendo com ele,
comendo-o, dormindo-o. E completamente acima de minhas posses. Disse-me que
eu passasse pela sua casa no dia seguinte e que ela o emprestaria”.
Fonte: Clarice Lispector, Felicidade Clandestina
Na relação entre as personagens se verificam as seguintes temáticas presentes no todo
da obra de Clarice Lispector:
a) A desigualdade social, presente no fato de não se dividir um bem material, o livro, e a
competitividade entre as mulheres.
b) A importância da leitura como fator de inclusão social, já que, entre as personagens, a
mais rica impede o acesso da mais pobre ao livro desejado.
c) A complexidade e as contradições dos relacionamentos humanos, que envolvem, no
caso da narradora, a servidão voluntária em nome de um benefício eventual e, no caso
da antagonista, a compensação dos traumas de sua “inferioridade” pelo exercício do
poder.
d) A agressividade natural das crianças e a intertextualidade com a obra de Monteiro
Lobato, principal influência literária sofrida por Clarice Lispector.
e) A religiosidade – presente na expressão “era um livro grosso, meu Deus” - e a crença
nos valores cristãos como o perdão, que, ao final, a narradora dirigirá à sua antagonista.


13. (PUC – PR) Felicidade Clandestina reúne 25 contos que tematizam a adolescência, a
infância e a família de Clarice Lispector. Sobre essa obra, marque a resposta
CORRETA.
I. São contos muito diferentes do resto da obra da autora, que nunca usa sua vida como
referência para a ficção.
II. O cotidiano, sempre presente em sua obra, nesses contos é deixado de lado, para que
se trate apenas do aspecto psicológico.
III. A epifania, constante da obra de Clarice Lispector, nesse livro está ausente, porque
os personagens têm plena consciência de tudo.
IV. As personagens femininas são, na maioria, meninas, que passam pelo processo de
amadurecimento e se tornam adultas.
V. As cenas descritas são comuns, mas não apresentam detalhes.
a) Somente a alternativa IV está correta.
b) As alternativas I e II estão corretas.
c) As alternativas IV e V estão corretas.
d) Somente a alternativa III está correta.
e) Todas as alternativas estão corretas.


GABARITO
1-A 2-D 3-C 4-E 5-B  6-B 7-A 8-D 9-C 10-B 11-D 12-C 13-A

Gabarito no final das questões.


Lista de 10 exercícios Estrutura e Formação das Palavras - Português  


Questão 1
(UFPE) Observe:

I - "Enquanto eu invento e desinvento "moda". (Caetano Veloso)
II - "Esse alguém me diria: "Desiste, essa busca é inútil". (Paulo Vanzolini)
III - "E que essa vida entre assim (...) Desvirginando a madrugada". (Gonzaguinha)
IV - "Você se chama grã-fino e eu afino tanto quanto desafino do seu tom". (Caetano Veloso)

Quanto ao processo de formação das palavras em negrito, assinale a alternativa incorreta.

a) "Desinvento", item I, é formada por "prefixação".

b) "Desiste", item II, é formada por prefixação.

c) "Inútil" item II, é formada por prefixação.

d) "Desvirginando", item III, é formada por prefixação e sufixação.

e) "Desafino" item IV, é formada por prefixação.








Questão 2 (FESP) Observe as frases seguintes quanto à estrutura das palavras.
I - É possível que exista ainda hoje um controle de mercado por algumas empresas.
II - A jovem fazia questão de que suas roupas fossem de uma só cor.
III - É um animal que se alimenta de sangue.
IV - O estudante do Curso de Veterinária especializou-se no estudo dos insetos.
V - Alguns políticos usam em seus discursos uma incontinência de linguagem.
Substituindo as expressões sublinhadas por compostos eruditos, temos:
a) mercadologia, monocromáticas, hematófogo, entomologia, verborragia;

b) oligopólio, monocromáticas, hematófago, entomologia, verborragia;

c) mercadologia, monocromáticas, hematócrito, entomologia, lingualogia;

d) oligopólio, orogenia, hematócrito, ornitologia, lingualogia.









Questão 3 (UNI-RIO) O elemento destacado NÃO é vogal temática em:

a) está
b) coalhou

c) beber

d) poupei

e) calço







Questão 4 (CESGRANRIO) O que indica nos parênteses NÃO está correto na opção:

a) bordado-me (vogal temática).

b) esforço-me (desinência número - pessoal).

c) desenrolando (característica de gerúndio).

d) imperceptível (derivado parassintético).

e) meia-idade (composto por justaposição).








Questão 5 (PUC-PR) Na palavra infelizmente temos três partes com um significado próprio: in, feliz e mente.

Assinale a alternativa em que todos os elementos constituem partes significativas da palavra desigualdades:

a) de - si - gual - da - des.

b) des - igual - dade - s.

c) desi - gual - da - des.

d) des - i - gual - da - des.

e) desigual - dades.









Questão 6 (PUC-RJ) Assinale a alternativa em que todos os itens são formados a partir de um verbo.

a) sentimento, ventania, extinção, mofino

b) resistência, regressar, cerebral, preocupação

c) facilidade, pacificar, regularmente, alimentício

d) fumaça, intimidade, prática, inexplorado

e) explicável, sabedor, sofrimento, contemplação









Questão 7 (UFPB) Os elementos mórficos sublinhados no trecho:

"E justamente ela estava subindo a ladeira. Como na véspera, deu adeus;"

estão corretamente classificados, EXCETO em

a) mente : sufixo adverbial

b) va : desinência modo-temporal número

c) sub : radical

d) eira : sufixo nominal

e) s : desinência nominal de número









Questão 8 (UFPE) Numere a 2ª. coluna de acordo com a 1ª., levando em consideração os processos de formação de palavras:


1) Atum-robô ( ) palavra formada por dois radicais gregos
2) Submarino ( ) palavra formada por derivação sufixal
3) agilidade ( ) composição híbrida por justaposição de dois substantivos
4) biologia ( ) palavra formada por derivação prefixal e sufixal

A seqüência correta é:

a) 1,3,4 e 2

b) 3,2,1 e 4

c) 4,3,1 e 2

d) 4,2,1 e 3

e) 2,1,3 e 4









Questão 9 (UERJ)

01 Sempre que se agita esta questão das reivindicações femininas, escovam-se os velhos
02 chavões, e, com um grande ar de importância, os filósofos decidem sem apelação que a mulher
03 não pode ser mais do que o anjo do lar, a vestal encarregada de vigiar o fogo sagrado, a
04 depositária das tradições da família... e das chaves da despensa. Todo esse dispêndio de palavras
05 inúteis serve apenas para encobrir a fealdade da única razão séria que podemos apresentar
06 contra as pretensões das mulheres: o nosso egoísmo, o receio que temos de que nos despojem
07 das nossas prerrogativas seculares – o medo de perder as posições, as regalias, as honras que o
08 preconceito bárbaro confiou exclusivamente ao nosso século. Compreende-se: quem se habituou
09 a empunhar o bastão do comando não se resigna facilmente a passá-lo a outras mãos: é mais
10 fácil deixar a vida do que deixar o poder.

(18/08/1901)
(BILAC, Olavo. Vossa Insolência. São Paulo: Cia. das Letras, 1997, p. 313)
A palavra extraída do texto , cuja constituição mórfica está explicada corretamente, é:

a) "filósofos" (linha 2) = é formada por parassíntese

b) "depositária" (linha 4) = é composta por aglutinação

c) "inúteis" (linha 5) = tem prefixo de sentido negativo

d) "fealdade" (linha 5) = tem sufixo diminutivo









Questão 10 (UFRRJ) TEXTO

Falando em leitura...
1 Falando em leitura, podemos ter em mente alguém lendo jornal, revista, folheto, mas o mais comum é
02 pensarmos em leitura de livros. E quando se diz que uma pessoa gosta de ler, "vive lendo", talvez seja rato de
03 biblioteca ou consumidor de romances, histórias em quadrinhos, fotonovelas. (...) Sem dúvida, o ato de ler é
04 usualmente relacionado com a escrita, e o leitor visto como decodificador da letra. Bastará porém decifrar
05 palavras para acontecer a leitura? Como explicaríamos as expressões de uso corrente "fazer a leitura"de um
06 gesto, de uma situação; "ler o olhar de alguém", "ler o tempo"; "ler o espaço", indicando que o ato de ler vai
07 além da escrita?

08 Se alguém na rua me dá um encontrão, minha reação pode ser de mero desagrado, diante de uma batida
09 casual, ou de franca defesa, diante de um empurrão proposital. Minha resposta a esse incidente revela meu modo
10 de lê-lo. Outra coisa: às vezes passamos anos vendo objetos comuns, um vaso, um cinzeiro, sem jamais tê-los de
11 fato enxergado; limitamo-los à sua função decorativa ou utilitária. Um dia, por motivos os mais diversos, nos
12 encontramos diante de um deles como se fosse algo totalmente novo. O formato, a cor, a figura que representa,
13 seu conteúdo passam a ter sentido, melhor, a fazer sentido para nós.

14 Só então se estabeleceu uma ligação efetiva entre nós e esse objeto. E consideramos sua beleza ou feiúra, o
15 ridículo ou adequação ao ambiente em que se encontra, o material e as partes que o compõem. (...)

16 (...) Será assim também que acontece com a leitura de um texto escrito?

17 Com freqüência nos contentamos, por economia ou preguiça, em ler superficilamente, "passar os olhos",
18 como se diz. Não acrescentamos ao ato de ler algo mais de nós além do gesto mecânico de decifrar os sinais.
19 Sobretudo se esses sinais não se ligam de imediato a uma experiência, uma fantasia, uma necessidade nossa.
20 Reagimos assim ao que não nos interessa no momento. Um discurso político, uma conversa, uma língua
21 estrangeira, uma aula expositiva, um quadro, uma peça musical, um livro. Sentimo-nos isolados do processo de
22 comunicação que essas mensagens instauram – desligados. E a tendência natural é ignorá-las ou rejeitá-las como
23 nada tendo a ver com a gente. Se o texto é visual, ficamos cegos a ele, ainda que nossos olhos continuem a fixar
24 os sinais gráficos, as imagens. Se é sonoro, surdos. Quer dizer: não o lemos, não o compreendemos, impossível
25 dar-lhe sentido porque ele diz muito pouco ou nada para nós.

26 Por essas razões, ao começarmos a pensar a questão da leitura, fica um mote que agradeço a Paulo Freire:

27 "a leitura do mundo precede sempre a leitura da palavra e a leitura desta implica a continuidade da leitura daquele".

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo, Ática. p.7 - 10.

"Sentimo-nos isolados do processo de comunicação que essas mensagens instauram — desligados."(l.21-22).

mesmo processo de formação da palavra desligados ocorre em

a) superficialmente.

b) enxergado.

c) amamenta.

d) impossível.

e) consumidor.












Gabarito:
1-b 2-b 3-e 4-d 5-b 6-e 7-e 8-c 9-c 10-d

Resumo Antigo Regime - História




A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME


A sociedade dos séc. XVI a XVIII era muito desigual, constituída por pessoas com grandes privilégios e outras que, embora fossem a força de trabalho que sustentava as nações, só tinham obrigações. Era então uma sociedade injusta, determinada pelo nascimento, muito fechada e hierarquizada. É a típica sociedade de ordens ou estados:











                              O ABSOLUTISMO



Desde a Idade Média que os reis pretendem uma diminuição do poder dos nobres, tentando concentrar nas suas mãos o maior número de funções e actividades por forma a fortalecer o seu próprio poder e a enfraquecer o poder dos seus adversários.
 

O absolutismo atinge a sua forma mais acabada em França. É com Luís XIV que esta ideologia política atinge o seu máximo. O seu lema, “O Estado sou eu”, torna-se o símbolo do Absolutismo.
 

O monarca do Mercantilismo francês, Luís XIV, é um rei absoluto. Este concentra a sua autoridade total e absoluta sobre os seus súbditos. Na sua pessoa se concentram todos os poderes do Estado:

Também em Portugal, o sistema político que vigorava neste período era o Absolutismo. Nesta altura, a forma de limitação do poder real era a convocação das Cortes, órgão consultivo de carácter legislativo. As Cortes eram a representação da nação e surgiam para consulta em casos de elaboração de diplomas de preceitos gerais, lançamento de novos impostos e decisão de paz e guerra. Assim, os reis portugueses (a partir de D. Pedro II e até D. João VI), deixam de as convocar e passam a governar sozinhos. É com D. João V que o Absolutismo se consolida no nosso país. Este rei tinha como grande ídolo Luís XIV de França, o “Rei-Sol”. Então, quis imitar o seu ídolo e, aproveitando o ouro do Brasil e a riqueza que este ouro dava a Portugal, também ele construiu uma corte numerosa, deu grandes festas e enviou sumptuosas embaixadas aos outros países e ao Papa. À semelhança do rei francês, mandou construir grandes e belos edifícios, como o Convento de Mafra ou a Biblioteca da Universidade de Coimbra. Nasce no nosso país a arte Barroca.


         O COMÉRCIO COLONIAL E O MERCANTILISMO





O comércio colonial que, como já se viu, trouxera imensa riqueza, tinha como principais agentes, uma camada da população que tradicionalmente se dedicava ao comércio e que dispunha de um enorme poder económico: a Burguesia.

O fortalecimento de um Estado assentava na maior concentração de riqueza. Ora se esta riqueza vinha do comércio colonial e, portanto, das transacções comerciais, o Estado não podia deixar de intervir no comércio.

Esta intervenção, com interesses políticos, denomina-se Mercantilismo.
A teoria mercantilista, extraordinariamente seguida pela França e pela Inglaterra, tem uma doutrina fundamental: a tese do Metalismo.

Segundo os seus teorizadores, a riqueza de um Estado está directamente proporcional à existência de metais preciosos nesse mesmo Estado. Quanto mais ouro e prata possuísse um Estado, maior riqueza poderia alcançar, já que poderia cobrar mais impostos aumentando portanto as suas riquezas.

Os Estados que detivessem colónias exportadoras desses metais nobres podiam assentar aí o seu enriquecimento. Aqueles que não estivessem nessas condições teriam que tentar aumentar o ritmo do seu comércio, aumentando o máximo de vendas ao estrangeiro (Exportações) e diminuindo as compras (Importações) de modo a que os metais pudessem entrar em maior número do que sair. Deste modo conseguir-se-ia uma balança comercial favorável.
Assim:



Para que o mercantilismo resulte, é necessário que o Estado incentive a
produção, criando medidas que protejam os produtos e que evitem a concorrência
estrangeira. A isto se chamam “medidas proteccionistas”. Entre as principais temos:
  • o lançamento de impostos de fronteiras pesados, sobre a importação de produtos manufacturados, a 
  • instituição de prémios ao comerciante com mais exportações,
  • a ajuda ao desenvolvimento industrial (subsídios, privilégios e desenvolvimento das manufacturas, para que se melhore a produção nacional e assim se aumente o número de produtos a exportar).
Deste modo, vemos a França a incentivar o desenvolvimento das
manufacturas, apostando em produtos de boa qualidade que lhes permitissem
alcançar mercados.

Várias medidas vão ser tomadas para a realização deste aumento. Assim:
tenta-se criar um maior número de indústrias como a da seda (plantando-se
amoreiras), a do linho, pelo incentivo ao seu cultivo...
Cria-se também um regulamento de trabalho que estabeleça um horário, o salário que deve ser pago…

Impede-se a saída dos artesãos qualificados como medida dupla: evitar que esses artesãos possam ir trabalhar para outro país, fazendo assim concorrência aos seus produtos e também para que estes artesãos possam dar o seu contributo para o crescimento do país. Oferecem-se ainda altas remunerações a artífices estrangeiros de forma a atraí-los para a França.

Em França, governava então Luís XIV que tinha como Ministro de Estado Colbert.
Este ministro vai ser o grande dinamizador da prática mercantilista.


               O PERÍODO MERCANTILISTA EM PORTUGAL






A prática mercantilista em Portugal não teve o mesmo sucesso que nos outros países da Europa. Uma das grandes razões deve-se ao facto de em Portugal as pessoas se dedicarem mais à agricultura. No entanto, esta estava muito atrasada, tinha técnicas muito antigas, instrumentos em madeira, não havia adubos... enfim, não se produzia muito. Apesar de existirem muitas terras férteis, a maioria delas pertencia à Nobreza ou ao Clero, que não as trabalhavam e alugavam, em troca de rendas, a camponeses para que as explorassem.

Não podemos, no entanto, dizer que as ideias e doutrinas mercantilistas não tenham surgido em Portugal. Manuel Severim de Faria, simpatizante das práticas mercantilistas inglesas, propunha um aumento de população como medida de aumentar a riqueza Seguindo as mesmas ideias, Duarte Ribeiro de Macedo publica um livro Discurso sobre a Introdução das Artes em Portugal, no qual defende a criação da manufactura de tecidos, espelhos e artigos de luxo com vista a evitar exportações.

A ideia proposta por estes dois homens foi posta em prática por D. Luís de Menezes, 3º Conde de Ericeira, no reinado de D. Pedro:

  • Contrata artífices ingleses para virem ensinar em Portugal,
  •  procura desenvolver as indústrias de lã na Covilhã e Portalegre. Para melhores resultados as fábricas são instaladas onde há matérias-primas, caso da lã, água… e onde há uma tradição artesanal. Melhora também o fabrico de colchas de Castelo Branco e da seda em Vila Real.
  •  Cria ainda medidas proteccionistas, aumentando as tarifas aduaneiras aos produtos estrangeiros.
  • Lança pragmáticas (leis que proibiam a compra no estrangeiro de produtos de luxo).
Mas esta tentativa durou pouco tempo. Interesses mais altos impediram-na de triunfar. Os produtos ingleses continuavam a invadir o país. Por outro lado, os grandes proprietários do vinho do Porto (que conseguira fama em Inglaterra) contestavam as manufacturas dizendo que se a Inglaterra não pudesse exportar os seus produtos, também deixaria de aceitar os vinhos portugueses. Entre estes homens contavam-se o Marquês do Alegrete e o Duque do Cadaval, que tinham enorme poder económico e político.

É no seguimento disto que é assinado o Tratado de Methuen. Celebrado em 1703 entre D. Pedro II e a Inglaterra, estabelecia a obrigatoriedade da Inglaterra comprar o vinho do Porto, pagando este apenas 2/3 dos direitos pagos pela França. Portugal não poria obstáculos à entrada dos lanifícios ingleses. Este tratado vai ser bastante prejudicial para Portugal:

  • Destruição das manufacturas que começam a nascer,
  • Impedimento do desenvolvimento industrial,
  • Alargamento do plantio da vinha a zonas destinadas aos cereais,
  • Aumento das importações aos ingleses,
  • Saída de grandes quantidades de ouro brasileiro para pagar as importações.
Fonte : Grupo de escolas Carregosa

Resumo Segunda Guerra Mundial - História

 2ª GUERRA MUNDIAL – RESUMO



INTRODUÇÃO:

As esperanças dos países europeus de uma paz duradoura com o fim da Primeira Guerra Mundial foi mera ilusão:
A) o comportamento revanchista dos vencedores da Primeira Guerra Mundial;
B) A crise de 1929 e suas graves conseqüências políticas e sociais em quase todos os países da Europa;
C) O surgimento dos governos nazi-fascistas – totalitários, militaristas e expansionistas;
D) O fracasso da Liga das Nações, todos esses fatores reunidos criaram as condições para que o novo conflito eclodisse, envolvendo todas as nações européias e a maior parte dos países do mundo, no período de 1939 a 1945.


1.      A partir de 1930 a situação política internacional estava novamente sob tensão: na Europa, de um lado ficou a União Soviética, isolada, enquanto que de outro, aliadas aos Estados Unidos, permaneceram França e Inglaterra; os Estados nazi-fascistas – Alemanha e Itália – formavam outro bloco.

a) Em 1931 o Japão conquistou a Manchúria e invadiu a China, desligando-se da Liga das Nações quando esta protestou.

b) O mesmo fez a Alemanha, depois que, desobedecendo ao Tratado de Versalhes, reaparelhou e reorganizou seu exército, invadindo em seguida a Renânia.

c) Na Espanha  deflagrou-se a guerra civil, com a Alemanha e Itália apoiando o fascista Franco, que acabou implantando o Estado fascista na Espanha. Nessa guerra a Alemanha testou seu armamento que usaria na 2ª Guerra Mundial.

d) Em 1936, Hitler anunciou a formação do Eixo (Roma-Berlim) e  proclamou abertamente sua política expansionista. A neutralidade dos EUA e isolamento da União Soviética deixava Hitler à vontade para levar avante sues planos.

e) Em 1938, Hitler anexou a Áustria à Alemanha e passou a reclamar a integração dos Sudetos.

f) Mussolini promoveu a reunião da França e Inglaterra, para discutirem a situação com a Itália e a Alemanha. Os representantes da França e da Inglaterra cederam às exigências alemãs, estimulando Hitler na sua política expansionista.

g) Quando a Alemanha passou a exigir Dantzig, na Polônia, e ante a resistência dos aliados os alemães invadiram o território polonês, INICIOU-SE A 2ª GUERRA MUNDIAL. Era 1° de setembro de 1939.

h) A Inglaterra, aliada da Polônia, declarou guerra à Alemanha; a França, aliada da Inglaterra, fez o mesmo. A Itália declarou-se não-beligerante e ficou agastada da guerra até 1940.

2. A ofensiva alemã contra a Polônia foi fulminante: iniciada no dia 1° de setembro de 1939, durou apenas três semanas.

a) Depois da Polônia, rapidamente os alemães foram dominando a Europa: França, Bélgica, Holanda e Suécia, uma a uma foram sendo ocupadas pelos exércitos de Hitler.

b) A França, derrotada militarmente, tornou-se colaboracionista através do governo de Vichy, liderado por Pétain.

3. O Presidente Roosevelt, que já transformara a indústria norte-americana para a guerra, entrou no conflito depois do ataque japonês de Pearl Harbor, em 1941.
a) A produção industrial norte-americana faz a balança da guerra pender contra a Alemanha.
b) começou a derrocada alemã: a vitória soviética na Batalha de Stalingrado acabou com o mito da invencibilidade alemã.
c) ingleses e norte-americanos varreram os alemães comandados por Rommel da África, enquanto a Itália era invadida pelos aliados.
d) Em 1944, as aliados desembarcaram na França e marcharam em direção de Berlim. Ao mesmo tempo pelo Leste, prosseguiam os russos na mesma direção.
e) em 1945, depois do suicídio de Hitler, a Alemanha rendeu-se incondicionalmente.
f) o Japão continuou por mais algum tempo na Guerra, mas também capitulou sem condições depois que os EUA lançaram sobre Hiroshima e Nagasaki suas bombas atômicas.

4. A principal conseqüência imediata do fim da guerra foi a radicalização das divergência entre os dois blocos que se formaram: de um lado a União Soviética e seus países-satélites; de outro, os países capitalistas liderados pelos EUA.
a)      A União Soviética, graças ao seu papel na guerra, teve aumentada sua influência na Europa, ao mesmo tempo em que interferia para que os Estados se tornassem socialistas.
b)      Os EUA, únicos detentores do segredo da Bomba Atômica, puderam, no começo da guerra fria, fazer valer essa vantagem nas suas disputas internacionais.
c) Para revitalizar sua economia depois da guerra, a Europa procurou integração econômica, através da criação do Mercado Comum Europeu.

5. o mais grave problema enfrentado pelos países europeus depois da guerra foi a reconstrução das áreas devastadas.
a) o auxílio norte-americano, através do Plano Marshall, acelerou a recuperação dos países beneficiados.
b) ao mesmo tempo garantia a colocação dos excedentes da produção norte-americana, e abria caminho para concretizar a hegemonia dos EUA na Europa e resto do mundo.

6. A guerra fria, luta diplomática (que raras vezes se transformou em ação militar) travada nos bastidores entre União Soviética e Estados Unidos, foi conseqüência da política dos blocos e das disputas entre as potências desses dois blocos.

Fonte:PROFESSOR EDILSON A. CHAVES  

Exercícios Força Elétrica - Física



Gabarito no final das questões.


Lista de 10 exercícios Força Elétrica - Física  



1 – Dois corpos pontuais em repouso, separados por certa distância e carregados eletricamente com cargas de sinais iguais, repelem-se de acordo com a Lei de Coulomb.
a) Se a quantidade de carga de um dos corpos for triplicada, a força de repulsão elétrica permanecerá constante, aumentará (quantas vezes?) ou diminuirá (quantas vezes?)?
b) Se forem mantidas as cargas iniciais, mas a distância entre os corpos for duplicada, a força de repulsão elétrica permanecerá constante, aumentará (quantas vezes?) ou diminuirá (quantas vezes?)?

2 – Considere o sistema de cargas na figura. As cargas +Q estão fixas e a carga -q pode mover-se somente sobre o eixo x.
Solta-se a carga -q, inicialmente em repouso, em x = a.



a) Em que ponto do eixo x a velocidade de -q é máxima?
b) Em que ponto(s) do eixo x a velocidade de -q é nula?

3 – Em cada um dos vértices de uma caixa cúbica de aresta ℓ foram fixadas cargas elétricas de módulo q cujos sinais estão indicados na figura.
Sendo k a constante eletrostática do meio, o módulo da força elétrica que atua sobre uma carga, pontual de módulo 2q, colocada no ponto de encontro das diagonais da caixa cúbica é



a) 4kq2/3ℓ2                        b) 8kq2/3ℓ2                       c) 16kq2/3ℓ2
d) 8kq2/2                          e) 4kq2/ℓ2


4 – A força de interação entre duas cargas puntiformes Q1 e Q2 afastadas de uma distância d entre si, no vácuo, é dada pela Lei de Coulomb F = k0(Q1Q2/d2), na qual k0 é uma constante de valor 9×109Nm2/C2.
As cargas Q1 = 2Q e Q2 = 3Q se repelem no vácuo com força de 0,6N quando afastadas de 3m.
O valor de Q , em C, é
a) 12×10-6                         b) 10×10-6                         c) 8×10-6                            d) 6×10-6                           e) 4×10-6

5 – Duas cargas, q e -q, são mantidas fixas a uma distância d uma da outra. Uma terceira carga q0 é colocada no ponto médio entre as duas primeiras, como ilustra a figura A. Nessa situação, o módulo da força eletrostática resultante sobre a carga q0 vale FA.


A carga q0 é então afastada dessa posição ao longo da mediatriz entre as duas outras até atingir o ponto P, onde é fixada, como ilustra a figura B. Agora, as três cargas estão nos vértices de um triângulo equilátero. Nessa situação, o módulo da força eletrostática resultante sobre a carga q0 vale FB.
Calcule a razão FA/FB.

6 – A uma distância d uma da outra, encontram-se duas esferinhas metálicas idênticas, de dimensões desprezíveis, com cargas -Q e +9Q. Elas são postas em contacto e, em seguida, colocadas à distância 2d. A razão entre os módulos das forças que atuam APÓS o contacto e ANTES do contacto é
a) 2/3               b) 4/9               c) 1                  d) 9/2              e) 4


7 – A figura a seguir representa três esferas metálicas idênticas A, B e C, todas elas possuindo a mesma quantidade de carga elétrica. 

Pode-se afirmar que as esferas:
a) A, B e C possuem o mesmo tipo de carga elétrica.
b) B e C possuem o mesmo tipo de carga elétrica e A possui carga elétrica diferente
c) A e B possuem o mesmo tipo de carga elétrica e C possui carga elétrica diferente
d) A, B e C possuem cargas elétricas diferentes
e) A e C possuem o mesmo tipo de carga elétrica e B possui carga elétrica diferente


8 – Nos vértices A, B e C de um triângulo retângulo isósceles são fixadas, respectivamente, as cargas +Q, 
+Q e -Q, conforme a ilustração a seguir. No ponto médio M da hipotenusa do triângulo, é fixada uma carga puntiforme q, a qual ficará sujeita à ação de uma força resultante F. A intensidade de F é:


a) (k.q.Q.51/2)/2           b) (k.q.Q.171/2)/2        c) k.q.Q.51/2        d) k.q.Q.171/2
e) 2k.q.Q.51/2


9 – A figura adiante ilustra uma das experiências mais fascinantes na evolução da teoria atômica da matéria, realizada por Rutherford, ao bombardear finas lâminas de ouro com partículas alfa. Cada partícula alfa nada mais é do que o núcleo de um átomo de hélio.

A partir do experimento descrito, julgue os seguintes itens.
(1) Por terem carga positiva, as partículas alfa sofrem desvios de trajetória devido à presença dos núcleos atômicos.
(2) No ponto B da figura, a força entre a partícula e o núcleo é a menor possível, porque ela é proporcional à distância que os separa.
(3) Rutherford teria obtido os mesmos resultados se, em vez de partículas alfa, tivesse usado nêutrons.
(4) O experimento de Rutherford usando o estanho, em vez de ouro, seria inconclusivo, em virtude da enorme variação de cargas entre os diversos isótopos do elemento estanho.
(5) O momento linear da partícula alfa incidente não varia.


10 – Duas partículas de cargas +4Q e -Q coulombs estão localizadas sobre uma linha, dividida em três regiões I, II e III, conforme a figura abaixo. Observe que as distâncias entre os pontos são todas iguais
.
a) Indique a região em que uma partícula positivamente carregada (+Q coulomb) pode ficar em equilíbrio.
b) Determine esse ponto de equilíbrio.

Gabarito


1- a) Triplica, b) Diminuirá 4 vezes. ; 2- a) Ponto O, b) x = + a e X  = - a ; 3- c ; 4- b ;
5- Na situação inicial, o módulo da força elétrica resultante é: FA = 2[|qq0|/(d/2)2] = (8|qq0|)/d2.
Na situação final, o módulo da força elétrica resultante é: FB = 2(|qq0|/d2)cos 60° = |qq0|/d2.
Portanto, a razão entre os módulos das duas forças é FA/FB = 8(|qq0|/d2)/(|qq0|/d2) = 8 ;
6- b ; 7- e ; 8- e ; 9- V F F F F ; 10- a) Região III, b) ponto 11 ; 

Exercícios Carga Elétrica - Física


Gabarito no final das questões.


Lista de 10 exercícios Carga Elétrica - Física  

01 – Tem-se 3 esferas condutoras idênticas A, B e C. As esferas A (positiva) e B (negativa) estão eletrizadas com cargas de mesmo módulo Q, e a esfera C está inicialmente neutra. São realizadas as seguintes operações:
1ª) Toca-se C em B, com A mantida à distância, e em seguida separa-se C de B;
2ª) Toca-se C em A, com B mantida à distância, e em seguida separa-se C de A;
3ª) Toca-se A em B, com C mantida à distância, e em seguida separa-se A de B
Podemos afirmar que a carga final da esfera A vale:
a) zero                         b) +Q/2                       c) - Q/4                       d) +Q/6                       e) - Q/8

02 – Um bastão isolante é atritado com tecido e ambos ficam eletrizados. É correto afirmar que o bastão pode ter
a) ganhado prótons e o tecido ganhado elétrons.      b) perdido elétrons e o tecido ganhado prótons.
c) perdido prótons e o tecido ganhado elétrons.       d) perdido elétrons e o tecido ganhado elétrons.
e) perdido prótons e o tecido ganhado prótons.

03 – Uma pequena esfera de isopor, aluminizada, suspensa por um fio "nylon", é atraída por um pente plástico negativamente carregado. Pode-se afirmar que a carga elétrica da esfera é:
a) apenas negativa;                 b) apenas nula;                       c) apenas positiva;                 
d) negativa, ou então nula;     e) positiva, ou então nula.

04 – Qual das afirmativas está correta?
a) Somente corpos carregados positivamente atraem corpos neutros.
b) Somente corpos carregados negativamente atraem corpos neutros.
c) Um corpo carregado pode atrair ou repelir um corpo neutro.
d) Se um corpo A eletrizado positivamente atrai um outro corpo B, podemos afirmar que B está carregado negativamente.
e) Um corpo neutro pode ser atraído por um corpo eletrizado.

05 – A matéria, em seu estado normal, não manifesta propriedades elétricas. No atual estágio de conhecimentos da estrutura atômica, isso nos permite concluir que a matéria:
a) é constituída somente de nêutrons                                               b) possui maior número de nêutrons que de prótons
c) possui quantidades iguais de prótons e elétrons   d) é constituída somente de prótons

06 – Três esferas condutoras A, B e C têm o mesmo diâmetro. A esfera A está inicialmente neutra e as outras duas estão carregadas com cargas QB = 1,2μC e QC = 1,8μC. Com a esfera A, toca-se primeiramente a esfera B e depois C. As cargas elétricas de A, B e C, depois desses contatos, são, respectivamente,
a) 0,60μC, 0,60μC e 1,8μC   b) 0,60μC, 1,2μC e 1,2μC     c) 1,0μC, 1,0μC e 1,0μC
d) 1,2μC, 0,60μC e 1,2μC     e) 1,2μC, 0,8μC e 1,0μC

07 – Dois corpos pontuais em repouso, separados por certa distância e carregados eletricamente com cargas de sinais iguais, repelem-se de acordo com a Lei de Coulomb.
a) Se a quantidade de carga de um dos corpos for triplicada, a força de repulsão elétrica permanecerá constante, aumentará (quantas vezes?) ou diminuirá (quantas vezes?)?
b) Se forem mantidas as cargas iniciais, mas a distância entre os corpos for duplicada, a força de repulsão elétrica permanecerá constante, aumentará (quantas vezes?) ou diminuirá (quantas vezes?)?



08 – É conhecido que "cargas elétricas de mesmo sinal se repelem e cargas elétricas de sinais contrários se atraem."
Dispõe-se de quatro pequenas esferas metálicas A, B, C e D. Verifica-se que A repele B, que A atrai C, que C repele D e que D está carregada positivamente. Pode-se concluir corretamente que
a) C está carregada negativamente.               b) A e C têm cargas de mesmo sinal.
c) A e B estão carregadas positivamente.      d) B tem carga negativa.
e) A e D se repelem.

09 – A eletrização que ocorre nas gotículas existentes nas nuvens, pode ser observada em inúmeras situações diárias, como quando, em tempo seco, os cabelos são atraídos para o pente, ou quando ouvimos pequenos estalos, por ocasião da retirada do corpo de uma peça de lã.
Nesse contexto, considere um bastão de vidro e quatro esferas condutoras, eletricamente neutras, A, B, C e D. O bastão de vidro é atritado, em um ambiente seco, com uma flanela, ficando carregado positivamente. Após esse processo, ele é posto em contato com a esfera A. Esta esfera é, então, aproximada das esferas B e C - que estão alinhadas com ela, mantendo contato entre si, sem tocar-se. A seguir, as esferas B e C, que estavam inicialmente em contato entre si, são separadas e a B é aproximada da D - ligada à terra por um fio condutor, sem tocá-la. Após alguns segundos, esse fio é cortado.
A partir da situação, é correto afirmar que o sinal da carga das esferas A, B, C e D é, respectivamente,
a) +, +, +, -.
b) -, -, +, +.
c) +, +, -, -.
d) -, +, -, +.
e) +, -, +, +.

10 – Os relâmpagos e os trovões são conseqüência de descargas elétricas entre nuvens ou entre nuvens e o solo. A respeito desses fenômenos, considere as afirmações que seguem.
I. Nuvens eletricamente positivas podem induzir cargas elétricas negativas no solo.
II. O trovão é uma conseqüência da expansão do ar aquecido.
III. Numa descarga elétrica, a corrente elétrica é invisível sendo o relâmpago conseqüência da ionização do ar.
Dentre as afirmações,
a) somente I é correta.                       b) somente II é correta.                      c) somente III é correta.        
d) somente I e II são corretas.           e) I, II e III são corretas.

Gabarito

1- e ; 2- d ; 3- e ; 4- e ; 5- c ; 6- d ; 7- a) Triplica, b) Diminuirá 4 vezes  ; 8- d ; 9- e ; 10- e ;
                                   

Slide História Argentina - Revisão - História

Para melhor visualização coloque em tela inteira.

Aula 16 - Argentina

Exercícios Funções Inorgânicas - Química

Gabarito no final das questões.


Lista de 10 exercícios Funções Inorgânicas - Química  



Questão 1
(FMU) Para combater a acidez estomacal causada pelo excesso de ácido clorídrico, costuma-se ingerir um anti-ácido. Das substâncias abaixo, encontradas no cotidiano das pessoas, a mais indicada para combater a acidez é

a) refrigerante

b) suco de laranja

c) água com limão

d) vinagre

e) leite de magnésia









Questão 2 (PUC-PR) Assinale a alternativa que representa as bases segundo o grau crescente de solubilidade:

a) Hidróxido de Ferro II, Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Cálcio.

b) Hidróxido de Lítio, Hidróxido de Magnésio, Hidróxido de Cálcio.

c) Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Cálcio, Hidróxido de Magnésio.

d) Hidróxido de Ferro II, Hidróxido de Cálcio, Hidróxido de Sódio.

e) Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Potássio, Hidróxido de Cálcio.










Questão 3 (UFF) Alguns óxidos de nitrogênio, dentre os quais N2O, NO, NO2, N2O3 e N2O5, podem ser detectados na emissão de gases produzidos por veículos e, também, por alguns processos para fabricação de fertilizantes. Tais óxidos contribuem para tornar o ar muito mais poluído nos grandes centros, tornando-o nocivo à saúde.

Dentre os óxidos citados, o que apresenta maior percentual de N é:

a) NO

b) NO2
c) N2O

d) N2O3
e) N2O5










Questão 4 (PUC-RS)

  1. Pode ser obtido pela eletrólise da água do mar.
  2. É um sólido branco solúvel em água.
  3. Reage com ácido carbônico formando um sal usado na fabricação de vidro.
  4. Utilizado na produção de sabão e fabricação de produtos usados para desentupir pias e ralos.
É correto dizer que as afirmativas se referem ao

a) cloreto de sódio.

b) hidróxido de sódio.

c) ácido clorídrico.

d) óxido de cloro.

e) óxido de sódio.









Questão 5 (UFPARA) Entre os nutrientes inorgânicos indispensáveis aos vegetais, estão o Nitrogênio (para o crescimento das folhas), o Fósforo (para o desenvolvimento das raízes) e o Potássio (para a floração). Por isso, na fabricação de fertilizantes para o solo, são empregados, entre outros, os compostos KNO3, Ca3(PO4)2, e NH4Cl que são, respectivamente, denominados de

a) nitrito de potássio, fosfito de cálcio e clorato de amônio

b) nitrato de potássio, fosfito de cálcio e cloreto de amônio

c) nitrito de potássio, fosfato de cálcio e cloreto de amônio

d) nitrato de potássio, fosfito de cálcio e clorato de amônio

e) nitrato de potássio, fosfato de cálcio e cloreto de amônio









Questão 6 (PUC-PR) Em relação a uma solução aquosa de NH4Cl, são feitas as seguintes afirmações:

I - É uma solução iônica.

II - Apresenta caráter básico.

III - Apresenta pH menor que 7.

IV - Apresenta maior quantidade de íons H+ do que íons OH­

São verdadeiras as afirmativas:

a) I, II, III e IV.

b) Apenas II, III e IV.

c) Apenas I, III e IV.

d) Apenas I, II e IV.

e) Apenas I, II e III.










Questão 7 (UFPB) Um frasco sem rótulo armazena um sólido branco que pode ser um dos seguintes compostos: PbCO3, AgNO3, Sr3(PO4)2, Ca(NO3)2 e K2CO3. A tabela abaixo apresenta algumas regras de solubilidade em água e propriedades do sólido.


Regras de Solubilidade em Água
Propriedades do Sólido
1.
Todos os nitratos são solúveis. O sólido branco dissolve-se em água para formar uma solução que produz um precipitado, quando a esta adiciona-se uma solução diluída de HCl.
2.
Todos os cloretos são solúveis, exceto AgCl , Hg2Cl2 e PbCl2.
3.
Todos os carbonatos e fosfatos são insolúveis, exceto os dos metais alcalinos e o de amônio.
Com base nas informações acima, conclui-se que o sólido branco é

a) PbCO3

b) Sr3(PO4)2

c) K2CO3

d) Ca(NO3)2

e) AgNO3








Questão 8 (UFPE) Dadas as seguintes substâncias:

1) H2O

2) NH3
3) H2S

podemos afirmar que:

a) 2 é apolar, com estrutura trigonal plana.

b) 1 é linear.

c) 3 possui maior ponto de ebulição.

d) 2 não realiza ligações ponte de hidrogênio intermolecular.

e) todas são bases de Lewis.









Questão 9 (UERJ) O vinagre é uma solução aquosa diluída que contém o ácido acético ionizado. As fórmulas molecular e estrutural deste ácido estão abaixo representadas:



fórmula molecular: H4C2O2










O segundo membro da equação química que representa corretamente a ionização do ácido acético aparece na seguinte alternativa:

a) H+ + H3C2O2-

b) 2H+ + H2C2O2 2-

c) 3H+ + HC2O2 3-

d) 4H+ + C2O2 4-









Questão 10 (UFRRJ) As fórmulas dos ácidos perclórico, nítrico, sulfúrico e fosfórico são, respectivamente,


a) HClO3, HNO3, H2SO3 e H3PO3.

b) HClO4, HNO3, H2SO3 e H3PO4.

c) HClO4, HNO3, H2SO4 e H3PO4.

d) HClO, HNO3, H2SO4 e H3PO4.

e) HClO3, HNO2, H2SO4 e H3PO3.












Gabarito:
1-e 2-d 3-c 4-b 5-e 6-c 7-e 8-e 9-a 10-c

Apostila História do Brasil - História - Download

Apostila criada pelo professor João Rocha

Para melhor visualização coloque em tela inteira.
Apostila Historia Do Brasil

Slide Período Napoleônico - Revisão - História

A trajetória de Napoleão na história.

Aula 17 - Período Napoleônico

Exercícios Pré- Descobrimento e Colônia - História

Gabarito no final das questões.


Lista de 10 exercícios Pré-descobrimento e Colônia - História   





Questão 1
(FMU) "Apesar de ter sido uma atividade subsidiária daquela que se desenvolvia com vistas à exportação, foi responsável pelo desbravamento de extensas parcelas do nordeste colonial brasileiro". O texto refere-se à

a) extração do pau-brasil

b) exploração das drogas do sertão

c) exploração aurífera

d) prática da pecuária

e) agricutura canavieira









Questão 2 (PUC-RJ) "Povos e povos indígenas desapareceram da face da terra como conseqüência do que hoje se chama, num eufemismo envergonhado, `o encontro' de sociedades do Antigo e do Novo Mundo."

(Manuela Carneiro da Cunha (org). História dos índios no Brasil. 2ª ed. São Paulo, Cia das Letras, 1998. p. 12)


A chegada dos europeus no que veio a ser por eles denominado de América, ocasionou o encontro entre sociedades que se desconheciam. No caso dos que estavam a serviço da Coroa de Portugal, o encontro formalizou contatos, confrontos, alianças com tribos nativas litorâneas, grande parte de origem tupi.

Acerca desse encontro entre portugueses e tupis nas terras que vieram a ser chamadas de Brasil, é correto afirmar que:

a) entre 1500 e 1530, os contatos foram pacíficos e amistosos, facilitando o estabelecimento das práticas de escambo do pau-brasil e o surgimento dos primeiros aldeamentos organizados por jesuítas.

b) a partir de 1555, a tentativa de huguenotes franceses de criar uma colônia - a França Antártica -, na baía de Guanabara, acabou por favorecer alianças militares de portugueses com as tribos locais, tamoios e tupinambás, suspendendo a escravização dos indígenas.

c) as intenções de colonizadores portugueses - "expandir a fé e o Império" - bem como suas práticas colonizadoras - doação de sesmarias, estímulos ao cultivo da cana, catequese dos nativos -, transformaram o encontro em um desastre demográfico para as tribos tupis do litoral.

d) os rituais antropofágicos praticados pelos tupis, ao lado das rivalidades constantes entre as tribos, foram fatores que contribuíram para a predominância de choques militares com os portugueses, tornando inevitáveis, por sua vez, a ocorrência de guerras justas.

e) o desconhecimento por parte dos nativos de qualquer tipo de agricultura foi o principal obstáculo para a utilização de sua mão-de-obra no estabelecimento da lavoura canavieira; isso somado à resistência à catequese ocasionou confrontos constantes entre portugueses e tupis.











Questão 3 (PUC-PR) Em relação à mão-de-obra escrava no Brasil Colônia, é correto afirmar:

a) A escravidão negra no século XVI foi predominante em São Paulo e no Paraná, onde a mão-de-obra escrava era utilizada no cultivo e produção do café.

b) No Brasil a colonização portuguesa, ao contrário da colonização espanhola, não recorreu à escravidão indígena.

c) Existiu tanto escravidão indígena quanto dos negros. A escravidão negra foi organizada em moldes empresariais e seu comércio garantia lucros para a metrópole.

d) A escravidão indígena foi substituída pela escravidão negra porque os indígenas não se adaptaram ao trabalho sistematizado no engenho de açúcar e no cultivo do café.

e) A escravidão negra foi restrita ao Nordeste no século XVI e às áreas de cultivo do café no século XIX.









Questão 4 (PUC-RS) Responder à questão com base nas afirmativas abaixo, sobre o período colonial brasileiro.

I. A sociedade açucareira pode ser vista como um exemplo típico do modo de produção colonial, sendo regulada pelas rígidas regras do "Pacto Colonial" e baseada no sistema de "plantation".

II. A sociedade mineradora representou o rompimento definitivo do "Pacto Colonial", pela crescente autonomia que o ouro proporcionava à Colônia, devido ao acúmulo de riquezas e aos investimentos no setor manufatureiro.

III. A produção de açúcar, durante o século XVIII, teve um crescimento significativo, devido à expulsão dos holandeses de Pernambuco e à descoberta do ouro, o que propiciou melhores condições e maiores recursos para investir na lavoura canavieira.

IV. A descoberta de ouro no Brasil colonial só foi possível em conseqüência da interiorização da colonização portuguesa, a partir dos movimentos bandeirantes, o que gerou importantes mudanças na sociedade colonial brasileira ao longo do século XVIII.

V. Mesmo após a descoberta do ouro, em fins do século XVII, a estrutura sócio-econômica do Brasil colonial manteve-se atrelada ao setor primário-exportador, sendo ainda a cana-de-açúcar um importante produto de exploração metropolitana.

A análise das afirmativas permite concluir que está correta a alternativa

a) I, II e III

b) I, IV e V

c) II, III e IV

d) II, IV e V

e) III, IV e V









Questão 5 (UFPB) No período de 1630 a 1654, a Companhia das Índias Ocidentais se apoderou de uma grande parcela do Nordeste brasileiro, período que ficou marcado pela figura do conde Maurício de Nassau. Constitui uma das características do governo de Nassau:

a) A vinda de vários cientistas e artistas, como Jorge Marcgrave, Willem Piso e Franz Post, que estudaram e representaram a natureza e a cultura do Brasil.

b) O início de um programa bem sucedido de miscigenação com índios e negros no Brasil, razão da grande presença de pessoas louras e de olhos azuis no Nordeste.

c) A política religiosa extremamente rígida, com a instalação de colégios para o ensino da religião protestante às crianças brasileiras e a proibição aos cultos realizados pelos judeus.

d) A busca de ouro e prata, realizada através de várias expedições dirigidas ao interior, principal interesse da Companhia no Brasil.

e) A execução de uma série de obras urbanas em Olinda, inclusive a construção de novas igrejas e conventos, tornando-a uma das cidades mais importantes de sua época.









Questão 6 (UFPE) Dentre as várias rebeliões de tendência liberal que eclodiram no Brasil, com vistas à sua emancipação política de Portugal, destaca-se, em Pernambuco, aquela que ficou conhecida como a "Revolução dos Padres". Indique a alternativa que corresponde ao movimento citado.

a) A Revolta dos Mascates.

b) A Confederação do Equador.

c) A Revolução de 1817.

d) A Revolução Praieira.

e) A Revolta dos Alfaiates.









Questão 7 (UFRRJ) "Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal ou ferro; nem lha vimos.

Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados como os de Entre-Douro e Minho, porque neste tempo dagora assim os achávamos como os de lá. (As) águas são muitas; infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem!

Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais do que ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute (isso) bastava. Quanto mais, disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber, acrescentamento da nossa fé!"
Carta de Pero Vaz Caminha ao Rei de Portugal em 1º /5/1500.
Seguindo a evidente preocupação de descrever ao Rei de Portugal tudo o que fora observado durante a curta estadia na terra denominada de Vera Cruz, o escrivão da frota cabralina menciona, na citada carta, possibilidades oferecidas pela terra recém-conhecida aos portugueses.

Dentre essas possibilidades estão

a) a extração de metais e pedras preciosas no interior do território, área não explorada então pelos portugueses.

b) a pesca e a caça pela qualidade das águas e terras onde aportaram os navios portugueses.

c) a extração de pau-brasil e a pecuária, de grande valor econômico naquela virada de século.

d) a conversão dos indígenas ao catolicismo e a utilização da nova terra como escala nas viagens ao Oriente.

e) a conquista de Calicute a partir das terras brasileiras e a cura de doenças pelos bons ares aqui encontrados.









Questão 8 (UFRRJ) "1785

Cidade do México

Sobre a Literatura de Ficção na Época Colonial

vice-rei do México, Matias de Gálvez, assina um novo decreto a favor dos trabalhadores índios. Receberão os índios salário justo; bons alimentos e assistência médica; e terão duas horas de descanso, ao meio dia, e poderão mudar de patrão quando quiserem."

Galeano, Eduardo. As Caras e as máscaras. Rio, Nova Fronteira, 1985. p.107.

autor procura ironizar com o título dado ao texto as práticas desenvolvidas pelos espanhóis na América, já que

a) os indígenas trabalhavam legalmente como escravos dos espanhóis sendo falsa a idéia de "salário justo" e "boas condições de vida e trabalho".

b) apesar das várias legislações sobre o assunto, ocorria, na prática, uma superexploração do trabalho indígena sob os regimes da mita ou da encomienda.

c) a situação dos indígenas americanos era, na época, bem melhor do que propunha o decreto do vice-rei do México pela pressão exercida a favor deles pela Igreja Católica.

d) os índígenas não podiam nunca mudar de patrão pois este sempre fora o rei da Espanha, que não abria mão dessas prerrogativas.

e) o decreto não tinha razão de ser, pois os indígenas mexicanos tinham sido completamente dizimados pela conquista e pelo trabalho de exploração mineral no século XVI.









Questão 9 (UFSCAR) A crise da economia mineira e a nova conjuntura internacional, na segunda metade do século XVIII, refletiram no Brasil, contribuindo para

a) o retorno da monocultura da cana-de-açúcar, aproveitando-se da capacidade ociosa dos engenhos nordestinos.

b) o desenvolvimento de manufaturas de tecido de algodão, estimulado pela política reformista do Marquês de Pombal.

c) a diversificação econômica, entrando na pauta de exportação da colônia produtos como algodão, tabaco, cacau, couro.

d) a emergência da monocultura do café, produto de fácil cultivo e de aceitação crescente nos mercados exteriores.

e) o aparecimento de centros econômicos na região amazônica, devido à exportação da borracha para as nações industrializadas.









Questão 10 (UFSCAR) Conjuração dos Alfaiates, no Brasil colônia, Cabanos e Balaiada no Período Regencial, e Canudos, no início da República, foram movimentos que se particularizaram na história do Brasil devido

a) à expressiva participação popular.

b) ao conteúdo monarquista de suas propostas.

c) ao caráter pacífico de suas reivindicações.

d) ao apoio que tiveram das classes dominantes.

e) à aceitação de seus projetos pelo governo central.












Gabarito:
1-d 2-c 3-c 4-b 5-a 6-c 7-d 8-b 9-c 10-a

Ocorreu um erro neste gadget